Google+ Followers

domingo, 25 de agosto de 2013



Oto Sinegal, o Delegado em Gênio de Rua, achou estranho ao passar em frente a esta Diocese, sabendo se tratar de um Santuário de Padroeiro Desconhecido. 
Pensou ele:
"Porque tão frondosa e ecumênica Capela recebeu um nome sumariamente arcano, já que há tantos padroeiros espalhados pelo céu?"
Esta foi a única foto e a única frase que encontrei na Web sobre este monumento histórico. Até a lenda o tempo apagou da rede. 
Ela esteve no caminho do Delegado. Quem sabe eu e ele descobrimos mais adiante, os segredos de um padroeiro que talvez, tenha muita história pra contar.



O RUBINHO!


Este é o Rubinho, a Viatura do Delegado da Polícia Civil, Oto Sinegal e do Sargento Osanha, da Brigada Militar do RS. Um Opala Diplomata ano 92. Foi certamente um figurante, talvez por não ter dado trabalho a sua velhice. 
Vejamos agora o seu desempenho nas próximas cenas de Gênio de Rua II - O Filme de Letras Continua. A Delegacia de Kaburé, que eu tenho notícia, é a única que abriga um Policial Civil e outro Militar atuando juntos. Será que assim continuará?


O CONTEÚDO É O ESSENCIAL, 
MAS O RÓTULO, AINDA É INDISPENSÁVEL!



A MISTERIOSA 
CAIXA D'ÁGUA 
DE METAL

E porquê misteriosa?
O Livro Gênio de Rua - Um Filme de Letras, contou com quase sessenta personagens, entre protagonistas coadjuvantes e figurantes. 
A Caixa D'Água de Metal localizada no interior do Quartel do 14° Grupo de Artilharia de Campanha na cidade de Pouso Alegre - MG, considero como um personagem. Coadjuvante? Não posso classificá-la assim. Foi parte determinante da trama. 
Em minhas pesquisas, ela foi integrada ao roteiro nos meses de maio ou junho de 2012. Eu li que havia uma Caixa D'Água, mas não encontrei a foto nas imagens do Google ou em qualquer outro lugar. Visitei vários sites e blogs de Minas Gerais e de Pouso Alegre, mas ninguém respondia às minhas mensagens. Era estranho este comportamento. O clima de mistério foi se acercando. Porque fazem questão de ocultar esta Caixa?  Foi graças a Luíza Martins, amiga e moradora daquela cidade, que visitou o Quartel e tirou várias exposições que me propuseram criar a cena. Ela está desativada e oxidada. As ruas e avenidas que há no entorno, e que também fazem parte da estória, só foram possíveis serem descritas, graças à ajuda de Luíza. 

Encontrada carta em que Oscar Wilde 


dá conselhos a um Aspirante a Escritor.
Uma carta nunca antes revelada, escrita pelo Escritor irlandês Oscar Wilde (1854-1900), foi descoberta em uma caixa empoeirada na parte de trás de um velho guarda-roupas, na Inglaterra.
O documento tem 13 páginas e não está datado, mas estima-se que tenha sido escrito por volta de 1890, quando Wilde estava se tornando um dos dramaturgos mais famosos de Londres.
Dirigida a um aspirante a escritor não identificado - que pede conselhos de como ser bem sucedido – Wilde escreveu que “o melhor trabalho na literatura é sempre feito por aqueles que não dependem dela para ganhar o pão de cada dia”. Outro conselho do autor de O retrato de Dorian Gray é “faça algum sacrifício por sua arte e você será reembolssado…”

A MAIOR  PRAIA DO  MUNDO



Curtas Gaúchos, apresenta o vídeo sobre os quatro faróis do litoral sul do Rio Grande do Sul.
O principal cenário do Livro Gênio de Rua, é o fictício Balneário que eu criei em torno do Farol de Sarita, que está neste vídeo sobre os esquecidos faróis, em um local que ainda hoje, é inóspito, no meio do nada e próximo a coisa nenhuma. Dizem até que o arco íris é preto e branco!  

o link do vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=_VdETKsuIxw
GÊNIO DE RUA II 
O FILME DE LETRAS CONTINUA


Enquanto aguardo que alguma Editora se interesse em publicar Gênio de Rua - Um Filme de Letras, aproveitei para publicá-lo no Clube de Autores. Ele está apto a receber visitas pelo link:   
 A continuação desta Trilogia ou Série, (só o tempo dirá) já começa a tomar forma em minha mente investigativa. Ainda estou as voltas com o livro 1, mas se assim fosse possível, o cérebro de um Aspirante parece ter sofrido uma divisão. 
A capa já está pronta, e hoje, 08 de abril de 2014, sete capítulos já foram escritos.

 O VÍDEO DE... 
...GÊNIO DE RUA - UM FILME DE LETRAS





                                          O link do vídeo:
https://www.youtube.com/watch?v=p-PR95UUqU0
SINOPSE AVULTADA DO LIVRO
GÊNIO DE RUA - UM FILME DE LETRAS


De repente surge aos meus pés, submersos na gélida água à beira mar, uma lendária garrafa de Tequila.
Segundo o estiloso rótulo, ela partiu da região da Ligúria, na comuna italiana. Dentro dela, havia um fragmentado pergaminho, supostamente forjado em pele de cordeiro. A composição da água marinha, a tornou inviolável.
Fui até a “pedra da noite” e quebrei-a. Enterrei os cacos, sentei-me na areia e li o que parecia um presságio: “Sonhe em ser Escritor! Ass.: Gênio de Rua”.
Desde guri, escrever migalhas de letras em retalhos de papel, foi um hábito sistemático, pois a vida estabelecia prioridades. Compromissos familiares, profissionais e sociais, sempre me afastaram do solitário e comprometido ambiente de um autor.
Ao me aposentar, decidi morar sozinho, a três minutos do mar. Da noite para o dia, me senti perfeitamente ambientado à solidão.
E foi neste silencioso balneário, que o filme de letras começou a ser projetado em minha mente investigativa.
Escrever uma resenha de Gênio de Rua é paliativo. Todas as cenas tem uma fundamental relevância no todo da história.
Porém, se faz necessário avultar a sinopse.
Era uma vez o ermo litoral sul do Rio Grande do Sul.
Emerge da profunda ficção, Kaburé, um balneário projetado no meio do nada e próximo à coisa nenhuma, ao redor do Farol de Sarita.
Nas primeiras linhas, uma renomada artista plástica, dona de um Macbook de ouro, suicida-se. O computador some, e apesar de morta, Ketlin, a artista, deixa heranças nas linhas até as últimas páginas. Oto, o Delegado, cismado, encontra rastros de raciocínio, ao farejar as entranhas da finada herança.
Um dos oito ovos desaparecidos de Fabergé, o Querubim e Carruagem, foi encontrado no interior de uma pequena embarcação naufragada. O nativo descobridor o enterrou, não sabendo o que fazer com aquele valioso tesouro. Ao invés de um mapa, esboçou um curioso enigma destinado a sua herdeira, sem prever que em breve, eles se encontrariam em outra dimensão.
Calisto, o principal protagonista, e ateu não praticante, torna-se o Gênio de Rua, um super-herói incomum. Sua missão? Salvar os sonhos, dispondo apenas de um só poder.
Muda-se para Kaburé. Encanta-se por Briane, a “Piquininha”, mas sua paixão, Quiara, está misteriosamente desaparecida. Quando desvenda o mistério, e sai ao encontro dela, percebe a verdadeira distância.
Durante a estória, surgem do além e aquém, tutores espirituais na estrada de Calisto. Lá pelas tantas, o ateu se vê diante do mundo dos mortos.
Na vizinha Estação Ecológica de Taim, Samuel Antony, presidente da S.A. Ltda. e Ketlin, a artista, anos atrás, encontraram uma clandestina mina de Nióbio. O Brasil é detentor de 98% deste minério na escala mundial, sendo o único exportador. Mas o crime que ocorre em Minas Gerais, Roraima, Goiás e Amazonas, com a conivência do governo federal, também em Taim é praticado.  Três atuações femininas, a falecida Ketlin, a Meretriz e Advogada Miandra, e a Médica Maria Gorete, serão fundamentais para intervir e denunciar.
Ainda participam da trama, Pael, o afamado e dissidente pugilista Lobo Marinho e sua esposa Rúbia, uma Bruxa de todos os santos.
Usando uma farda militar, o avoado Sargento Osanha atua ao lado do folclórico e condecorado Delegado, Oto Synegal, o descobridor do “latrocídio”.
No tronco da árvore morta, Solua, o sexagenário caipira, caça corruptos e pesca papinhas, aos olhos do papai do céu.
Há também, a informatizada e excêntrica Edlin, convivendo com a sina dos ancestrais, afagando em silêncio o amor proibido.
Transportam as mentes heroicas e medíocres, Cambão o taxista, condutor do bem e do mal, e Afonso, por acaso, o fiel escudeiro.
Por fim, destaca-se o adventício Zabelê, ambidestro jagunço de Samuel.
Perambulam ainda as orientadoras Tauá, Rosa Negra e Canossiana. Mas essas, surgem quando menos se espera.
Ao apagar das luzes, entra em cena, Caiane, a universitária, trazendo à tona o passado que supostamente, assentará o conturbado presente.
Esta síntese não ficará completa se não for mencionado, que além destes personagens, ainda há um grande elenco.